terça-feira, 5 de outubro de 2010

O piquenique das Tartarugas



Nesta crônica de Millôr Fernandes você tem duas opções: rir ou refletir !
 
Eu escolhi refletir!

Uma família de tartarugas decidiu sair para um piquenique.
As tartarugas, sendo naturalmente lentas, levaram 7 anos preparando-se para o passeio. Passados 6 meses, após acharem o lugar ideal, ao desembalarem a cesta de piquenique descobriram que estavam sem sal. Então, designaram a tartaruga mais nova para voltar à casa e pegar o sal, por ser a mais rápida.
A pequena tartaruga lamentou, chorou e esperneou, mas concordou em ir com uma condição: que ninguém comeria até que ela retornasse. Três anos se passaram... Seis anos... E a pequenina não tinha retornado. Ao sétimo ano de sua ausência, a tartaruga mais velha já não suportando mais a fome, decidiu desembalar um sanduíche. Nesta hora, a pequena tartaruga saiu de trás de uma árvore e gritou:
- Viu! Eu sabia que vocês não iam me esperar. Agora que eu não vou mesmo buscar o sal.
Pense bem! Algumas vezes em nossa vidas as coisas acontecem da mesma forma. Desperdiçamos nosso tempo esperando que as pessoas vivam à altura de nossas expectativas. Ficamos tão preocupados com o que os outros estão fazendo que deixamos de fazer o que nos compete.


"Não venci todas as vezes que lutei, mas perdi todas as vezes que deixei de lutar!"
 
 
 

5 comentários:

  1. Bom dia Beth!
    Também escolho refletir e te agradeço a oportunidade.
    Estas tartarugas retratam bem a grande maioria das famílias brasileiras, e se na própria família não confiamos, a confiança se dirige a outros atrativos externos nem sempre lícitos e nem sempre a pessoas "confiáveis".
    Registro a citação do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade que bem ilustra o que quero transmitir:
    "A confiança é um ato de fé, e esta dispensa raciocínio."

    Obrigada pelo teu pitaco. Eu que sou muito feliz com tua visita!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. bacana essa reflexão! realmente ficamos mto voltados ao que o outro faz, comenta, opina, apresenta. E esquecemos de nós mesmos. Do que somos, do que queremos, do que precisamos fazer.

    mto bom o post
    bom dia

    ResponderExcluir
  3. Oi Bebeth, muito boa essa cronica, nos faz pensar como estamos dirigindo nossa vida, gostei muito.
    Ah, então quando for para Minhas já sei aonde vou me refrescar, na piscina da sua casa, rsrs...
    Bjus e fique com Deus.

    ResponderExcluir
  4. Quer dizer para Minas, ops errei!

    ResponderExcluir
  5. Oi borboleta! Desejo tudo de bom para vc e sua familia. Vim aqui refletir com vc... e é fato, a gente acaba perdendo tempo observando atrás da árvore a quem nos "trai" e acabamos por nos trair.
    Um abraço enorme! Amanda

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita!
Aqui é fácil e rápido comentar e seu recadinho é sempre muito importante para mim.